Brasileiros que largaram tudo para viver o sonho da literatura


Se você escreveu um livro ou está escrevendo, ou já tem certa experiência como escritor com certeza deve ter pensado com muito desejo a possibili-dade incrível em viver apenas de literatura. O Brasil embora não seja o melhor país para ser um escritor, também está longe de ser o pior, os números do mercado são nada modestos 5 bilhões de reais, e certamente há espaço para pegar um bocadinho disso e viver de sua arte e imaginação.

Bem, vamos ver alguns casos aqui de pessoas “comuns” nenhuma nascida em berço de ouro, alguém que você pode ter topado no metrô, ou em um supermercado. E o sonho que muitos pintam como muito difícil pode ser até acessível se realmente o deseja.

O primeiro caso é do carioca Flavio Cafiero que largou 14 anos de carreira executiva para se dedicar a literatura. Ele era executivo de uma grande rede de departamento, que, no auge da carreira — tinha entrado na empresa como trainee, aos 22 anos, e já contava 14 lá dentro — decidiu devolver o crachá e vestir uma bermuda larga e ir escrever.

Flávio decidiu ser escritor. O que não significa menos trabalho, mas muito menos certezas. Em menos de cinco anos de dedicação no novo ofício, outra virada: ganhou o prêmio Off-Flip na categoria Contos e tornou-se a grande aposta da editora Cosac Naify. Seu primeiro romance, “O frio aqui fora” lançado em 2013 já está na 4 reimpressão, um feito raro para novos romancistas nacionais.

Mas isso já faz um bom tempo, e hoje Flávio tem 5 romances publicados além de várias peças de teatro. Veja que história interessante, quando ele larga o emprego ele não tem nada escrito, nada em grande volume para se tornar um livro ao menos e também não tem qualquer certeza e nem muito network na área e mesmo assim deu certo! Muita coragem não!!

Seu primeiro romance não tinha como não ser tão autorreferencial.

"Era uma necessidade grande colocar no papel o que eu vivi. Essa mudança é a história que definiu minha vida. Foram 14 anos numa empresa. Sair disso é muito forte, eu precisava contar, me livrar — desabafou Flavio, de passagem pelo Rio de Janeiro, cidade que deixou também em nome da carreira engravatada. — Saí daqui para trabalhar numa filial da loja em Vitória, depois fui para São Paulo e não voltei mais. É também por isso que a trama do livro, sem querer estragar a surpresa, vai se encaminhando em direção ao mar. É como um movimento de retorno."

A produtividade vem de uma das características que mantém do mundo que abandonou: o tal do compromisso. Ainda que tenha perdido as palavras “meta” e “foco” do vocabulário, Flavio não consegue deixar de cumprir um prazo, mesmo os impostos por si mesmo:

Havia um slogan na empresa com a expressão “senso de urgência”. E há um modus operandi executivo que não consigo abandonar. Se eu me propus ser um escritor, passo as 12 horas do meu dia útil sentado, escrevendo.

O segundo caso é de Jussara Souza uma ex-workaholic que largou tudo para amar a si mesma e encontrar o seu propósito de vida.

Formada em Administração e pós-graduada em Controladoria Financeira, descobriu-se escritora aos 39 anos de idade. Em 2015, seu Retorno de Saturno “particular seria um incentivo para uma reviravolta na sua vida. As dificuldades no casamento e as insatisfações com a profissão a levariam para esse mundo encantador da escrita.

Baiana de nascimento, mas mineira de coração. Atualmente vive com o marido e seus cães adotados em Taubaté, São Paulo, cidade onde chegou aos 18 anos com muitos sonhos.

Tem por hábito despertar todos os dias bem cedo para meditar e praticar os ritos tibetanos com o marido, a quem ela apelidou carinhosamente de Multitarefeiro (viciado em fazer lista de tarefas). Adora alimentar-se de maneira saudável e incentivar as pessoas a fazer o mesmo.

Diz que já era uma escritora, apenas seu propósito de vida estava adormecido. Desde de criança costumava criar histórias nos cadernos e já era apaixonada pelos livros. Lia de tudo; suspense, bibliografias, romances, bula de remédio, revistas, jornais etc, Quando não tinha nada para ler, lia a Bíblia e as enciclopédias de sua casa, no interior de Minas Gerais.

Seu primeiro livro, Os Opostos se Distraem é um relato divertido desta sua fase de transição; da tentativa de salvar o casamento, encontrou sentido para a vida com a ajuda de técnicas milenares de bem estar. E, o mais importante, despertou seu propósito de vida adormecido, a escrita.

O terceiro caso é a bem-sucedida escritora para público adolescente Thalita Rebouças.

Em uma nação onde uma em cada três pessoas jamais comprou um livro, a obra da escritora carioca Thalita Rebouças, de 43 anos, é uma notável exceção. Com 22 livros publicados, todos voltados ao público adolescente, ela já conta com mais de 2,2 milhões de exemplares vendidos. Mais que figurar entre as principais “best-sellers” do Brasil, Thalita é um fenômeno de vendas também no exterior: seus livros foram traduzidos para mais de 20 países e são sucesso absoluto em Portugal. Consagrada, a escritora decidiu diversificar a carreira compondo músicas para novelas e filmes, assinando roteiros para peças de teatro e histórias em quadrinhos, e participando do programa The Voice Kids, da rede Globo. “

Antes do sucesso como escritora trabalhou como jornalista. Escreveu sobre economia, arquitetura e urbanismo, e trabalhou em diversos jornais e revistas. “Rodei um pouco até ter coragem de largar tudo e só escrever os meus livros. Aí larguei tudo…” disse a autora em entrevista.

Isso foi em 2003, antes disso, havia lançado o livro “Traição entre amigas”, em 2000. E foi dando certo, mesmo em uma editora pequena, só vendendo em feiras. Então pensou que se investisse, poderia viver só do seu sonho de escrever.

Se gosta de postagens como essa se inscreva em nossa lista para receber nossa newsletter exclusiva- Assinar

#viverdeliteratura #serescritor

46 visualizações